segunda-feira, 11 de julho de 2016

CRÔNICA DO DIA: "DE REPENTE 50!"

Foi há oito meses.
Sim, vocês podem estar se perguntando por que alguém se lembraria que tem cinquenta anos de vida, quando já está prestes a completar cinquenta e um. Parece estranho e confuso. E é mesmo. O que nos faz lembrar de repente que já estamos por aqui há meio século? Pode ser uma palavra, um gesto... No meu caso foi uma nota de falecimento.


Quando abri a rede social pela manhã, a primeira notícia que apareceu foi o comunicado da morte da mãe de uma amiga. Ao chegar ao trabalho, a primeira mensagem do correio eletrônico era a informação do local do sepultamento. E aí sim, o gatilho da consciência da passagem do tempo foi disparado. Com ele, várias memórias vieram à tona em uma fração de segundos. Um turbilhão de emoções e lembranças.

Há 26 anos meu pai foi sepultado no mesmo local. Exatamente há 26 anos. No mesmo dia. No dia do seu aniversário.

Me peguei pensando como o curso do tempo parece veloz, voraz... Outro dia eu era adolescente. Outro dia eu estava na faculdade. Outro dia... 

Meu pai voltou aos meus pensamentos. Já aposentado, gostava de ficar todas as manhãs na praça com os amigos, também aposentados. Permaneciam lá até a hora do almoço. Conversavam sobre as notícias do dia. Meu pai adorava a coluna do Castello, no canto esquerdo da página dois do Jornal do Brasil. Ele era um leitor assíduo deste jornal e comentar sobre política era seu passatempo predileto.

Com o passar do tempo, percebi que meu pai já não ia mais a praça todos os dias. Ficava sentado no sofá com o olhar vago. Resolvi lhe perguntar se não ia a praça naquele dia. Ele respondeu que estava indisposto. Avisei que um de seus amigos havia perguntado por ele. Ele pareceu animar-se, discretamente. Até que descobri o que estava acontecendo. Dois deles haviam morrido. E isso estava deixando o meu pai deprimido. Afinal, na idade dele, vendo os amigos partirem, é natural que se pense sobre a sua própria data de partida.

Lembrar desse episódio me fez recordar de uma palestra que assisti sobre o livro "Viver é a melhor opção", com o jornalista André Trigueiro. Ele mencionou sobre a depressão que acomete algumas pessoas, quando chegam na fase mais madura da vida e o sentimento de perda que se pode experimentar, quando a vitalidade diminui. Esse sentimento, além de assustador, pode trazer a tona emoções que não prevíamos. Na palestra, Trigueiro ressaltou o cuidado que devemos ter com nossos idosos nesse período de mudanças, em que perde-se agilidade, perde-se memória, perde-se saúde, perde-se amigos, familiares... "É fundamental não descuidar da socialização desse segmento", orienta o autor.




Foi exatamente neste instante que percebi a passagem do tempo para mim mesma. Tanta coisa mudou nos últimos cinquenta anos. A comunicação, os transportes... Flashes passaram rápidos pela minha mente, como o dia em que percebi que já não dançava com a mesma desenvoltura de antes, ou quando comentei sobre o telex e as pessoas a minha volta me olharam como se estivessem se perguntando "do que ela está falando?" Ou quando você chega, está todo mundo comentando sobre a minissérie brasileira Ligações Perigosas e você fala empolgada sobre os desfechos da história, comparando os finais dos protagonistas no livro de Choderlos de Laclos e no filme homônimo com Glenn Close, John Malkovich e Michelle Pfeifer. Aí alguém diz "Fatinha, você está dando spoiler!!!" Só aí você se dá conta de que as pessoas a sua volta eram muito jovens na época do filme, algumas nem tinham nascido. Só há uma coisa a fazer: pedir desculpas e torcer pro autor da série brasileira usar sua licença poética e mudar o final da história. Ou comentar que o desfecho do filme foi diferente do final do livro. Ah, mas essa informação também está na rede, gente! E é tão bom comentar sobre as histórias que nos marcaram... Parece que foi ontem que assisti a cena da Michelle Pfeifer, sofrendo por amor e dizendo "that's enough" (basta). Que cena triste! Inesquecível!

Além das situações que são até engraçadas, chegar à idade madura nos dá a certeza do quanto somos efêmeros, do quanto nossa passagem por aqui é breve e rápida. E é nesse momento que devemos tomar cuidado. Me lembro que na referida palestra, Trigueiro, o autor do livro, sugeria algo como reinventar a vida nesta fase, manter-se ocupado, cultivar as amizades. Talvez não seja fácil, mas parece uma proposta interessante. Ele mesmo, prestes a completar 50 anos, contou que tem pensado muito no assunto. Pois é, mas como reinventar-se? Como descobrir o prazer na nova fase? "Se cada fase da vida tem algo de importante para nos ensinar, é preciso descobrir o que está reservado para nós no ocaso da existência. Tentar fazer isso com algum espírito de aventura pode ser algo interessante", sugere ele.

Maternidade e maturidade

Fiquei pensando sobre essa questão da aventura... Me veio a mente a questão da maternidade, para mim, uma das maiores aventuras da vida! Maior, mais difícil, mais desafiadora e mais surpreendente do que qualquer voo rasante em cima dos dragões no filme Como treinar seu dragão

Apesar de não ter nenhum impedimento físico, deixei para mais tarde o momento de encarar esse desafio e vivenciar uma das experiências mais gratificantes da vida. Não me arrependo. Chegou quando tinha que chegar. No momento certo. No momento em que, definitivamente, estou entrando na fase madura da vida. Nesse instante em que percebemos o quanto o tempo é precioso e a saúde fundamental, observar uma nova vida florescendo, renascendo, transformando-se, descobrindo-se é... Fantástico! Enriquecedor! 

Eu sei, vocês podem dizer que também isso é passageiro. É verdade. É sim. Criamos os filhos para o mundo, assim como nós um dia também fomos criados. E quando chegar a hora deles alçarem voos maiores, nós podemos sentir toda a solidão desse momento. O que fazer? Aceitar mais esse desafio. E sabe o que eu acho? A socialização que o autor do livro menciona acima é muito importante. Cultivar as amizades antigas, alimentar as novas que chegam, afinal através dos filhos, fazemos tantos novos amigos, não é mesmo? Talvez esse seja o caminho, compartilhar experiências com quem está vivendo momentos semelhantes.

Mas, por enquanto, ainda estou vivendo essa aventura de observar o desenvolvimento da vida em toda a sua plenitude e posso garantir, estou adorando. Dificuldades? Certamente que existem. E são muitas. Por isso é tão desafiador. Quer coisa melhor para fazer a adrenalina subir do que um bom desafio? São pouco mais de dez anos de pura adrenalina. Mas também temos momentos de poesia...

Outro dia, ao buscar meu filho após o trabalho, lhe dei um forte abraço e disse: "olá, melhor parte do meu dia!" Ele sorriu, me abraçou e falou com ar enigmático (aquele em que você não sabe exatamente o que a criança está pensando): "Mãe, você é tão engraçada!" No dia seguinte, quando fiz o caminho inverso e fui deixá-lo no seu destino antes de partir para o trabalho, nos despedimos e quando já ia indo embora, ele segurou meu braço e disse: "bom trabalho, melhor parte do meu dia!" e sorriu com ar maroto. 

É, tenho certeza que vou sentir falta dessa aventura, quando ela tomar outro rumo e assumir novos contornos. Mas, por enquanto, vou vivendo, curtindo e apreciando cada momento desta fase, que exige concentração, disposição, energia, criatividade, dedicação e, sobretudo, amor para executar a tarefa. Amor, a chave de tudo! Em todas as fases da vida!

28 comentários:

  1. Lindo texto Fátima, enquanto você medita as aventuras dos seus quase 51 , eu cá me pego pensando que a poucos meses de completar 60anos.Ainda me sinto tão moleca.Beijos minha querida,vamos viver enquanto estamos bem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cinquenta, sessenta... O importante é a aventura, não é mesmo? Obrigada por seu comentário!

      Excluir
  2. Ainda acho melhor os seus 50 que os meus 20 (passados a tanto tempo). Sua experiência lhe garante acertar muito mais, assim como a sua prudência lhe faz errar menos. A agilidade não eh mais a mesma, mas tanto já foi feito... Os mais novos que corram. Você só vai na boa!
    Excelente reflexão!
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hum... Acertar muito mais... Não sei... Mas quanto a "ir na boa", verdade. Afinal, para que correr tanto, certo? Obrigada, Denis, por seu comentário!

      Excluir
  3. Amei Fátima!!! Você conseguiu apresentar sentimentos e percepções de uma forma verdadeira, suave, profunda. Talvez a dica para não envelhecer o espírito seja ter sempre um ou mais projetos para conduzir, conquistar. É a adrenalina necessária à nossa existência. E sempre, é claro, com muito amor...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo, Cláudia Santanna, ter um projeto, um objetivo é sempre estimulante. Com amor, então! Obrigada por seu comentário!

      Excluir
  4. Fátima, obrigada pela reflexão. Lindo texto como sempre! Beijos ...

    ResponderExcluir
  5. Muito bom texto Fátima. Adorei ler. Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Cristina!!! Que bom que gostou!!!

      Excluir
  6. Você é uma grande escritora, me emocionou com seu texto. Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É bom saber que algo que sai do nosso coração é capaz de chegar ao coração do outro! Nos impulsiona a seguir em frente. Obrigada!!!

      Excluir
  7. Você é uma grande escritora, me emocionou com seu texto. Parabéns!

    ResponderExcluir
  8. Adorei!Seu texto me fez revisitar alguns pedacinhos da memória de meu passado, tão sagrados pra mim, mas há delicadeza e sensibilidade ao fazer essa análise do tempo, que consigo traz as derradeiras mudanças, com suas perdas e ganhos. Leva nossa juventude, mas nos dota de paciência e de sabedoria. Quanto a você, deu-te muito talento e um rostinho de 30! Parabéns, querida! Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Maria do Socorro, você foi MUITO generosa comigo!!! Além dos elogios ao texto, me deu um rostinho de 30!!! Valeu pelo incentivo em ambos os setores!!! (Risos) Obrigada por seu comentário!!!

      Excluir
  9. Bela reflexão amiga! Uma viagem por sentimentos que vc colocou muito bem. Beijos! Rozi.

    ResponderExcluir
  10. Fatinha,

    Profundo a reflexão. Engraçado ontem mesmo me deparei com este sentimento. Na 6a. feira passada marquei uma almoço com uma amiga para acontecer na 2a. feira. Tudo quase certo. Pois é, no dia do almoço ela me telefonou e disse que não seria possível, pois sua mâe havia falecido no sábado.
    Foi derrepente, um infarto fulminante. Fiquei muito triste. Então, entendo que a sabedoria e tranquilidade e um brinde para meio século de idade. bjs. Rita

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, Rita, devemos brindar a chegada de cada ano. Afinal, cada um deles significa mais um punhado de experiências. Meus sentimentos pela perda da mãe da sua amiga. Um grande abraço e obrigada por seu comentário!

      Excluir
  11. Fátima querida, que texto bacana! Você escreve de uma forma simples e profunda e aborda nosso cotidiano de um jeito leve e sutil! Mas estamos juntas!! Estou chegando lá, nos cinquentinha!! rs.Parabéns! bjs.pra você e João Pedro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Angela, bom lhe ver por aqui!!! Que bom que gostou do texto. Só não posso lhe dizer que vou lhe esperar chegar aos cinquentinha. Essa certeza eu tenho, estarei sempre a sua frente. (Risos) Um grande abraço e obrigada por seu comentário!!!

      Excluir
  12. Fátima, adorei o texto. Somos irmãs na idade e vivi o que você viveu na juventude.
    A maturidade chegou para nós e eu também estou amando vivê-la com toda intensidade. Beijo grande

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ana Lucia, bom ver você por aqui!!! Bom saber que somos irmãs também na idade!!! Um grande abraço e obrigada por seu comentário!!!

      Excluir
  13. Texto muito bom, com uma lanterna poderosa, voce joga luz sobre questões que sempre estão na pauta de nossas discussões. 50 anos... fiz em 2014, e de lá para cá o que venho como grande vantagem é que certas coisa pesam menos. Ou não pesam. Questões de estética, de desempenho, de sucesso, não têm mais a mesma carga, positiva ou negativa, de outros tempos. O que pesa, pelo menos para mim, é a questão da saúde, muito associada à qualidade de vida, lidar com as limitações impostas pelo peso dos anos, que também passa por um esforço de harmonizar as relações com as pessoas. Num mundo muito violento, intolerante, com inúmeras segmentações e rótulos, onde fica a saúde – física e mental – do indivíduo? E como se dá a relação do indivíduo com o coletivo, quando várias das tentativas de aproximar as pessoas para um objetivo comum não deram muito certo? Seriam as redes sociais a possibilidade de concretizar o que nos anos 60 um festival de Woodstock não conseguiu? 50 anos....novas questões, não mais fechadas, com respostas prontas, mas um universo de possibilidades. 50 anos... 50 mil memórias afetivas, como as suas, como as nossas, dos que estão comentando aqui, talvez o que realmente importe seja saber que PODEMOS REALIZAR COISAS, porque existimos. Ainda. Forte abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aldenir Moraes, concordo com você, quando diz que o "que realmente importa é saber que podemos realizar coisas", simplesmente porque existimos, porque AINDA estamos aqui. Importa manter-se ativo de alguma forma, ocupar a mente. Isso nos faz mais vivos sempre. Até o dia da partida! Um grande abraço!

      Excluir
  14. Excelente reflexões ! Abrir o leque das amizades , a cada nova fase de vida é proporcionar novas aventuras. Pois estaremos penetrando em novos mundos íntimos, onde aprenderemos como lidar com as diferentes formas de sentir. E o exercício do Amor fica indispensável para dar o colorido à existência. O Tempo é um professor ...a nos colocar face a face com enganos, acertos, novos olhares aos caminhos e respeito aos que caminham ao nosso lado, sabendo que cada um tem seu tempo.
    Tereza Vieira

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade, Tereza Vieira, o tempo é um grande professor e nos convida sempre a rever posições e conceitos. Obrigada por seu comentário! Um grande abraço!

      Excluir
  15. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir