domingo, 5 de julho de 2015

DIVERTIDA E CRIATIVA MENTE!

Está em cartaz nos cinemas a animação da Disney Pixar DIVERTIDA MENTE. Quando assistimos ao trailler antes da estreia, meu filho e eu logo dissemos um pra outro: "não podemos perder. Parece interessante". E foi mesmo.

Medo, Nojinho, Alegria, Raiva e Tristeza.


As personagens coloridas, bem desenhadas e falantes são as emoções que convivem dentro da cabecinha da menina Riley, de 11 anos: Alegria, Tristeza, Medo, Nojinho e Raiva. Desde o nascimento a Alegria parece ter sido a líder das emoções da garotinha. Suas memórias são divertidas, alegres e cheias de amor. Ela vive cercada de amigos e rodeada de carinho da família. Mas, justamente, quando a menina vai enfrentar uma grande mudança em sua curta vidinha, Tristeza causa a maior confusão na sala de controle, isto é, no cérebro da Riley e acaba sendo expelida dali junto com a Alegria. E é aí que começa a confusão de fato. Já imaginaram uma pessoa sem alegria e sem tristeza?

O incidente acontece justamente quando Riley chega à casa nova e tem que enfrentar o seu primeiro dia na nova escola. Sem a Alegria para lhe impulsionar e a Tristeza para lhe fazer refletir, Riley tem que conviver com o Medo, a Raiva e o tédio da Nojinho. 

Enquanto isso, Alegria e Tristeza tentam a todo custo retornar à sala de controle e nessa batalha para chegar lá, elas vão descobrindo memórias já esquecidas, relembrando fatos que estavam guardados lá no fundinho da memória. Foi assim o reencontro com o elefantinho rosa, que se achava parecido com um golfinho. Era uma lembrança da primeira infância de Riley e Alegria ficou felicíssima em revê-lo. 

O filme usa e abusa da simbologia para mostrar o quão contraditórios podem ser nossos sentimentos e nossas atitudes, dependendo da emoção que decidimos escolher vivenciar. Apesar da confusão ter sido causada pela tristeza lá na sala de controle, ao longo da narrativa percebemos como é importante vivenciarmos esse sentimento para amadurecermos e crescermos. Mesmo deixando a personagem triste, é a Tristeza que a faz parar e refletir. Bom mesmo foi ver a incansável Alegria perceber isso e abrir espaço para esse sentimento. Antes a ideia era mantê-la circunscrita para não causar sofrimento a pequena Riley, só alegria. Mas ao caminharem lado a lado, Alegria percebe o quanto precisa da Tristeza para fazer com que a menina não esqueça dos seus bens mais preciosos: o carinho e o amor da sua família.

Tristeza, sempre pensativa.


Eu confesso que em alguns momentos o filme me emocionou bastante. Meu filho me perguntou se eu havia chorado. Diante da minha afirmativa, ele quis saber em que momento eu fiquei mais tocada e chorei. Respondi que foi o momento em que a lembrança do elefantinho rosa vai sumindo depois de ter tido uma atitude nobre. Ele igualmente tocado disse: "eu também, Mãe". Perguntei a ele se ele saberia dizer o por que dessa passagem ter nos emocionado tanto. Ele ficou pensativo. Arrisquei: "o elefantinho rosa são as nossas memórias infantis e é sempre muito difícil deixá-las para trás". 

Quando saímos do cinema, meu filho me perguntou qual personagem eu tinha gostado mais. Sem pestanejar, respondi: Alegria! Ele retrucou: "O meu foi a Tristeza... Fiquei com pena dela..." E passou a viagem de retorno à casa tentando me convencer de que a Tristeza era o melhor personagem. Mas eu resisti: "a tristeza é importante e muito necessária, mas ainda assim eu gostei mais da Alegria. Sua perseverança e também sua humildade ao reconhecer a importância da Tristeza, fazem dela uma personagem incrível". Como bem definiu uma amiga, "uma guerreira incansável"!

Alegria, sempre cheia de ideias.


Enfim, esta é uma animação para toda a família. Diverte, mas faz pensar. O final é igualmente simbólico. No filme, nossas memórias são armazenadas em bolhas (ou bolas) transparentes e sempre que a Tristeza tocava em alguma delas acidentalmente, elas ficavam com a sua cor e aquela memória passava a ser triste. Mas no final, Alegria permite que Tristeza toque algumas bolas, passagens felizes que a menina havia vivenciado com os seus pais e seus amiguinhos. Apesar das bolas mudarem de cor, aquela lembrança fica com o gostinho de saudade, de um tempo bom que não volta mais e que pode dar um certo ar de tristeza, sem, contudo, interferir negativamente na personalidade e no comportamento da menina. São momentos lindos e mágicos. 

Para quem ainda não viu, eu recomendo. Gostei muito. E para quem já viu, espero que o filme tenha lhe trazido boas, incríveis e intensas lembranças.


19 comentários:

  1. Belo texto Fátima, para refletirmos um pouco esses sentimentos que nos tocam a vida inteira. Que bom que JP tb gostou. Bjs da Nitinha.

    ResponderExcluir
  2. Muito interessante, Fátima! Ficou ótimo como vc falou do filme. Parece que a gente está assistindo de novo. Como seu filho, também gostei mais da Tristeza, mas realmente a Alegria é incansável. Beijos da Rô.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Rô! Fico feliz que tenha que tenha gostado. Beijos.

      Excluir
  3. Fátima adorei o texto. essa ideia de desenho animado que nos faça refletir mais profundamente é sensacional!!! Adorei suas colocações e o JP é um menino de ouro heim, adorei como ele entendeu a colocação dos sentimentos!!! Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Anastacia!!! Essa dobradinha desenho animado / reflexão é imbatível mesmo! Beijos,

      Excluir
  4. Excelente texto. E um ponto interessante - desenhos animados podem provocar interessantes reflexões. Gostei demais, Fátima Augusta.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Alzira! Fico feliz que tenha gostado do texto! E como disse acima, a dobradinha desenho animado / reflexão é imbatível mesmo! Um grande abraço!

      Excluir
  5. Também gostei muito. Para a minha filha de 5 anos é um pouco complicado toda essa compreensão, mas o de 10 aproveitou bastante. Bj

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Flavia, esse é um desenho para toda a família. Mas mesmo que a sua filha menor não absorva todas as questões que levantamos, a maneira como o filme é feito também e capaz de agradá-la, pois as cenas são muito bem feitas e coloridas. Um grande abraço!

      Excluir
  6. Fatima, realmente o filme é especial por ser um entretenimento que suscita a reflexão para os nossos sentimentos. Principalmente, pela personagem principal ser uma pré-adolescente que está com seus sentimentos em formação para a chegada da adolescência. Fase difícil, delicada e de extrema importância na formação de nossa personalidade. Muito bom o seu texto quando analisa que os sentimentos, Alegria e Tristeza, tinham importância semelhantes, assim como os demais, para a vida da pequena Riley. Parabéns, pelo belo texto!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Cosme Luiz! Que bom que gostou do texto e do filme. Eu também apreciei demais! Um grande abraço!

      Excluir
  7. Puxa! Fiquei super curioso! Verei!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Veja sim, Julio! Vale a pena! Um grande abraço!

      Excluir
  8. Seu post da vontade de ir ao cinema no momento seguinte. To louco pra ver!!! Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Espero que tenha visto, Denis!!! Vale a pena!

      Excluir
  9. Adorei o filme! Eu também chorei e em várias partes... rs
    O filme faz refletir sobre os momentos da formação da nossa personalidade. Achei genial a ideia das ilhas e a forma como os processos mentais (sonhar, lembrar, esquecer, etc) foram retratados. bjo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, Renata, a forma como foi abordada a trajetória das memórias é muito interessante. Que bom que gostou. Eu também gostei muito!

      Excluir